sábado, 1 de outubro de 2011

A oposição de Júpiter em 2011!


Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Agora é a vez do gigantesco Júpiter! Após as oposições dos gigantes gasosos Saturno (03 abril), Netuno (22 agosto) e Urano (29 setembro), o imponente e massivo planeta estará emoldurando o céu noturno com uma excepcional oposição em 28 de outubro (Carta de Busca e Efemérides abaixo). Conhecido desde a antiguidade e também vislumbrando seus observadores em todo o mundo (de Galileu Galilei aos astrônomos contemporâneos), Júpiter (assim como Saturno quando céu noturno), com a mais absoluta certeza, será o centro das atenções neste período em qualquer Star Party.

O Planeta

E este ano não será diferente. Júpiter chegará a uma distância mínima da Terra de 3.9697744 UA (595.466.160 milhões de Km), distância essa uma das menores dos últimos 30 anos, superada apenas na sua fantástica oposição de 26 de setembro de 2022, quando então esse planeta estará à distância de 3.9525634 UA ((vide nota 2)). Alcançando uma magnitude de -2.9, ele perderá em brilho somente para Vênus e a Lua, quando visíveis no céu.

A região celeste a qual poderemos encontrar Júpiter e bem conhecida dos astrônomos. Certamente ele ao juntamente com as conhecidas estrelas conhecidas das constelações de Áries, Pisces e Cetus definirá no céu belas conjunções.


Satélites galileanos

Além da sua dinâmica superfície, chama a atenção de qualquer observador a dança diária de seus principais satélites naturais Io, Europa, Ganimedes e Callisto; esse fantástico quarteto apresenta formações e eventos mútuos entre si, que também envolvem o disco do planeta. Assim essa dinâmica pode ser acompanhada utilizando-se uma luneta acima de 70 mm de abertura.

Vejam nas duas fotografias realizadas pelo amigo João Amâncio Ferreira Júnior do CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais) o registro fotográfico em ocasiões distintas da configuração: Júpiter - Satélites.

Assim sendo, pode-se definir tranquilamente para compor suas efemérides e acompanhamento gráfico num diagrama de saca-rolhas, as seguintes definições e nomenclaturas:

Satélites:
1 ou I = Io;
2 ou II = Europa;
3 ou III = Ganimedes;
4 ou IV = Callisto;

Fenômenos
Ec = Eclipse do satélite pela sombra do disco do planeta;
Tr = Trânsito do satélite pelo disco do planeta;
Sh = Trânsito da sombra do satélite pelo disco do planeta;
Oc = Ocultação do satélite pelo disco do planeta;
I = Imersão;
E = Emersão;
D = Desaparecimento;
R = Reaparecimento.


Nota: 1

Em função da distância a Terra, os satélites galileanos apresentam as seguintes magnitudes: Io = 5.5; Europa = 6.1; Ganimedes = 5.1 e Callisto = 6.2.







Nota: 2


(UA) Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Você pode utilizar essas efemérides publicadas no Almanaque Astronômico de 2011, fazendo gratuitamente o download no seguinte link:

http://www.ceamig.org.br/5_divu/alma2011.pdf


Certamente, a edição dos eventos que envolvem a dinâmica de Júpiter e seus principais satélites, já está garantida em forma de efemérides nas futuras edições desta mesma publicação.

Boas Observações!

Referências:

- Almanaque Astronômico Brasileiro – 2011 – Antônio Rosa Campos – CEAMIG – Dez 2010; 93p.

Nenhum comentário:

Postar um comentário