terça-feira, 1 de novembro de 2011

Em Finados, Cemitérios guardam curiosidades

Nelson Alberto Soares Travnik
Observatório Astronômico de America - SP - Observatório Astronômico de Piracicaba - SP


Na época de finados, muitos cemitérios exibem sempre sepulturas que despertam atenção seja por sua construção, importância de seus ocupantes e religiosidade. No Cemitério Municipal de Matias Barbosa, MG, a curiosidade é outra e fica por conta de um túmulo pertencente a família Travnik. Nele foi colocado um Relógio de Sol. As pessoas que visitam o túmulo constatam que ele marca a hora certa. Pequena diferença fica por conta da chamada "equação do tempo" pois ele marca a hora do Sol verdadeiro.


Ele é do tipo vertical, em mármore branco e com a figura de um Sol radiante. Foi construído em 2006 pelo astrônomo Nelson Travnik que durante muitos anos morou na cidade e que com mais dois amigos instalou o Observatório Astronômico Flammarion (1954-1976).

Igualmente em Belo Horizonte - MG existe outra ornamentação no Cemitério do Bonfim também instalado em sepultura. Outro relógio de Sol, também projeto de Travnik, pode ser admirado no adro da histórica Capela do Rosário que foi instalado em 2009 no ano das comemorações dos 300 anos do termo de doação das Sesmarias de Mathias Barbosa da Silva. O relógio é do tipo equatorial, em pedra sabão, idêntico ao que está localizado no adro da Igreja de Santo Antônio da cidade mineira de Tiradentes.

HISTÓRICO

O mais antigo instrumento concebido pelo homem para determinar o tempo é o relógio de Sol. A partir de uma simples estaca no chão, os relógios de Sol evoluíram em tamanho e formas das mais diversas objetivando sempre determinar a hora, o calendário e as estações do ano com a melhor precisão possível. De extraordinário valor pedagógico, eles se encontram presentes dos mais variados tipos em praças, paredes de prédio e até em igrejas. No velho continente é comum depararmos com eles e sempre constituem atração.

Texto: Nelson Alberto Soares Travnik, astrônomo dos observatórios astronômicos de Americana e Piracicaba, SP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário