sábado, 1 de setembro de 2012

O céu do mês – Setembro 2012

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB



Com a proximidade do Equinócio de setembro marcando o início da Primavera no Hemisfério Sul e o Outono do Hemisfério Norte em 22 de setembro às 14:14 (TU – Universal Time), numa opinião pessoal o céu, aliado aos fenômenos previstos para ocorrência neste mês, somente colaboram para enriquecer ainda mais o conhecimento que ele divina e gratuitamente coloca a disposição da humanidade. Então que tal uma apreciação na constelação de Áquila? Marca presença a brilhante Altair (0.9), uma estrela branca de classe espectral A7V distante a 16.1 anos-luz. E o quanto ficamos fascinados pela estrela branca azulada Vega (0.0) de classe espectral A0Va na constelação da Lyra a 25.3 anos-luz? Por certo o céu este mês ainda traz ao nosso entendimento a gigantesca constelação de Eridanus (um rio sinuoso) de tem como nascente a anã branca azulada, Lambda Eridanus (4.2), e como uma esplêndida foz, a estrela Achernar (0.5) de classe espectral B3Vpe, também branco-azulada a 136 anos-luz; por que então não chamar a atenção para Fomalhaut (1.2), outra branco azulada de classe espectral A3V na constelação de Piscis Austrinus (Peixe Austral) a 26.5 anos-luz? Mas o primeiro peixe dessa vastidão cósmica a ser detalhado será Delphinus (Golfinho), pelo charme, simpatia e curiosidade dessa constelação. Mas a Lua e os Planetas com a dinâmica de seus fenômenos também farão a diferença neste cenário celeste iniciando com um alinhamento de Mercúrio e Regulus, passando pelas ocultações proporcionadas pela Lua e finalizando com uma Lua cheia em 30/09.


A Ocultação de Júpiter pela Lua em 08 de Setembro de 2012

Durante o período diurno de 08 de setembro próximo, a Lua - 51% iluminada e com uma elongação de 91°, ocultará o planeta Júpiter (mag. -2.3) e (conseqüentemente) seus principais satélites naturais. (Veja maiores informações na resenha do Sky and Observers).

A Ocultação de Zeta Tauri pela Lua em 09 de Setembro de 2012

Na madrugada de 09 de setembro próximo, a Lua - 43% iluminada e com uma elongação de 171°, ocultará a estrela Zeta Tauri de magnitude 3.0 (Veja maiores informações na resenha do Sky and Observers).

A Ocultação de Marte pela Lua em 19 de Setembro de 2012

No início da noite de 19 de setembro próximo, a Lua + 18% iluminada e com uma elongação de 51°, ocultará o planeta Marte, magnitude 1.2. (Veja maiores informações na resenha do Sky and Observers).

A Ocultação de Acrab pela Lua em 20 de Setembro de 2012

Na noite de 20 de setembro próximo, a Lua + 29% iluminada e com uma elongação de 65°, ocultará a estrela Acrab de magnitude 2.6 (Veja maiores informações na resenha do Sky and Observers).

A Ocultação de Kow Kin pela Lua em 20 de Setembro de 2012

Na noite do dia 20, madrugada de 21 de setembro próximo, a Lua + 29% iluminada e com uma elongação de 65°, ocultará a estrela Kow Kin (omega 1 Scorpii) de magnitude 3.9 (Veja maiores informações na resenha do Sky and Observers).

A Ocultação de Plutão pela Lua em 23 de Setembro de 2012

Em 23 de Setembro, a Lua +55% iluminada e com uma elongação de 96°, ocultará o pequeno planeta Plutão (mag. 14.1). Embora extremamente difícil de ser acompanhado, pois a instrumentação requerida deverá ser equipamentos óticos acima de 300mm de abertura, pode-se acompanhar esse evento. Assim a área de abrangência desse evento é o sul do Oceano Pacífico, abrangendo o Tahiti, Polinésia Francesa, Ilhas Cook e Tonga; na Nova Zelândia e a região de Auckland bem como ainda Chatham Island. Já na claridade crepuscular do dia. O evento continua ocorrendo na Tasmânia e Austrália (Regiões sul da Austrália Ocidental, Meridional, Nova Gales do Sul, Queensland e região Sul do Território do Norte), encerrando-se no sul do Oceano Índico conforme a figura 2 no mapa abaixo.

A Oposição de Urano em 2012

Urano encontrar-se-á em oposição em 29 de setembro agosto (07:00 TU – Universal Time) próximo quando estará a 19.061361 (UA) da Terra. Além da carta de busca (já publicada na resenha de maio de 2012 em Sky and Observers) a tabela abaixo apresenta as efemérides para esse período, bem como o mês subseqüente.


Planetas!

Mercúrio = Dentro dos limites da constelação de Leão, no dia 04 próximo (06:00 – TU), Mercúrio estará em sua máxima declinação (em relação a eclíptica) norte, (declinação: 10.8°), sendo que sua conjunção superior ocorrerá no dia 10, quando então estará numa distância a Terra de 1.377 UA; visualmente separado em cerca de 1.6° do centro do disco do Sol; Mercúrio chegará na constelação de Virgo em 13/08 e já no dia 18, então cruza o equador celeste em sentido descendente e no dia 27 realiza sua passagem pelo nodo descendente, mas suas elongações somente irão tornar favoráveis as suas observações no próximo mês.

Vênus = Neste início de mês poderemos ainda encontrar Vênus na constelação de Gemini, mas isso somente até o dia 05 quando então transitará pela constelação de Câncer. A sua elongação que e de 45° W neste início de mês, começa gradativamente a baixar sendo de 43.4° em 15/09 e 41° W em 30/09. Como conseqüência de seu afastamento a Terra também seu diâmetro aparente também irá diminuir (20.1” em 01/09, para 16.0” no dia 30/09), assim como sua magnitude estimada de -4.3 a -4.1. Ele a partir de 23/09 chegará a constelação de Leão, ficando lá até o fim deste período. Mas em 27/09 estará realizando sua passagem para o nodo ascendente.

Lua (Fases) = As fases lunares este mês, ocorrerão nas datas e horários do fuso horário de Brasília (UT = + 03:00 h) mencionadas de acordo com o quadro 1:
Marte = Marte que proporcionou na constelação de Virgem alguns alinhamentos bastante interessantes, permanecerá ali até o dia 06, quando então ingressa na constelação da Libra. Mas nada será tão espetacular naquela constelação neste mês do que a Ocultação de Marte pela Lua em 19 de setembro. A figura 3 abaixo, ainda não representa (por mais que estamos buscando) a beleza de fenômenos como este.

Marte com uma magnitude de 1.2 ainda poderá ser observado neste período na primeira metade da noite, visto que suas elongações serão 56.4° em 01/09 e 47.7° em 30/09, sendo que no momento da ocultação acima mencionada, sua elongação, será de 50.6°. Mas o planeta vermelho ainda apresentará outra surpresa. Em 29/09, às 13:10 (TU – Universal Time) ocorrerá o início da Primavera no hemisfério sul marciano.

Júpiter = Neste mês as condições observacionais noturnas do planeta Júpiter começam estar mais propícias, pois poderemos iniciar nossas jornadas no sentido leste, encontrando o planeta gigante mergulhado na constelação de Taurus. Suas elongações e respectivas magnitudes vêm a cada dia vem aumentando (84.5° em 01/09 e magnitude -2.3 e 111.0° em 30/09 com a magnitude de -2.5). Assim também como seu diâmetro aparente, pois em 07/09 às 07:30 (TU – Universal Time), ele terá 40.0” de arco. Ele, entretanto será o alvo observacional dos observadores localizados no continente sul americano, tendo em vista a ocorrência de sua ocultação na manhã do dia 08. Então levando-se em consideração uma vez que Calisto terá a primeira imersão e posteriormente todo o sistema Júpiter/Satélites, a figura 4 abaixo apresenta o instante desse evento, mas ainda é importante considerar que o Sol estará a 0° no horizonte W para algumas localidades da região norte do Brasil, mas nas capitais do nordeste, sudeste e centro oeste do Brasil ele já estará acima do horizonte.
Saturno = Somente no fim deste mês é que a magnitude do planeta Saturno aumentará um pouco, quando então será estimada em 0.7, Ele permanece na constelação de Virgo e suas elongações vão diminuindo a cada dia sendo de 47.2° em 01/09, baixando para 22.1° no dia 30 de setembro.

Urano = Ainda na constelação de Cetus, Urano passará em 16 de setembro próximo para a constelação de Pisces e sua magnitude quase no limite de visibilidade da visão desarmada de nossos observadores, será tentadora a sua busca com pequenos instrumentos; diante disso recomendo suas buscas visuais, próximo a Lua Nova que ocorrerá em 15/09, visto que na data de sua oposição (23 de setembro) a presença do luar (fases descritas no quadro 1) pode afetar um pouco essas observações mas não de forma significativa.

Netuno = Como sua oposição ocorreu em 24 de agosto, no momento sua magnitude continua estimada em 7.8, mas suas elongações começam lentamente a baixar, pois de 172.4° em 01/09 chegará ao dia 30/09 com 143.4°, mas isso também faz com que Netuno seja um astro recomendado para observações próximo de 15/09. O céu sem a presença do luar fica bastante escuro, fazendo com que essas magnitudes ganhem mais contraste.

Ceres e Plutão = A tendência sempre será que Ceres tenha condições observacionais favoráveis, então sem a presença do luar (como recomendado para os planetas Urano e Netuno) será bastante proveitoso buscar Ceres, entre as constelações de Taurus e Orion. Ele ingressará nesta constelação estando em 10 setembro a 0.5° Norte da estrela 54 Orionis (mag. 4.4), classe espectral G0V, uma estrela anã branco amarelada que se encontra a 27 anos luz de distância e possui uma luminosidade de 1.02 vezes que o próprio Sol. Plutão, na constelação de Sagittarius, com a magnitude de 14.1 em 23 setembro será ocultado pela Lua sendo que numa seqüência a Lua ocultará também o Aglomerado Aberto M-25 em Sagittarius. Suas respectivas elongações serão de 117.9° no início do mês e 89.6° em 30/09.

Notas:

(UA) = Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

(a.l) = Ano Luz. Unidade de distância e não de tempo, que equivale à distancia percorrida pela luz, no vácuo, em um ano, a razão de aproximadamente 300.000 Km por segundo. Corresponde a cerca de 9 trilhões e 500 bilhões de quilômetros.

CONSTELAÇÃO:

Delphinus

O céu e realmente um espetáculo fantástico e principalmente quando damos asas as nossas imaginações. Então eu fico buscando entender como era o imaginário dos povos e principalmente dos marinheiros do que após 1350 começaram a se lançar na imensidão dos oceanos em busca de outras terras, riqueza e glorias. Assim buscando na compreensão da faina diária a bordo de naus, galeões e caravelas, fica fácil compreender o porquê da retratação no céu dos objetos e animais de suas lidas. Pois certamente Golfinhos (e outras qualidades de peixes como vimos na introdução) eram suas companhias em mar alto. No céu então não será diferente, pois será bastante interessante conhecer em Delphinus (figura 5) uma inimaginável história de pescador.
Começaremos nosso reconhecimento dessa constelação de forma contrária o que normalmente realizamos, assim Zeta Del (4.6), de classe espectral A3V; uma anã branca distante do sol próximo a 286 anos-luz, como a nadadeira dorsal sendo que Eta Del (5.3), classe espectral A3IV, uma subgigante branca distante cerca de 272 anos-luz e Delta Del (4.4), classe espectral A7III já uma gigante também branca, que encontra-se a uma distância idêntica, marcam as nadadeiras peitoral desse mamífero. A curiosidade marcante é que tanto Eta Del e Zeta Del (4.6) mostram a idêntica velocidade radial (cerca de 12 quilômetros por segundo em aproximação), fato também observado em Epsilon Del (4.0), uma gigante branco azulada que também possuí o nome próprio de Deneb Dulfim, que completa a nadadeira caudal e Rotanev (3.6), de classe espectral F5IV, embora ela tenha um maior movimento do que as outras três. Embora isso possa fazer com que grande parte deste grupo possa ter uma verdadeira associação física, isso permanece discutível; Gamma Del (4.2), uma subgigante alaranjada também parece desqualificada com base de um movimento muito maior do que as outras; visto também que Sualocin (3.7) classe espectral B9IV tem apenas cerca de 1/3 dessa velocidade radial.

A Rotação de Delphinus - "Sualocin" e "Rotanev"

Certamente os golfinhos deviam naqueles mares alegrar a faina de bordo dos marinheiros daquelas embarcações com suas encantadoras piruetas, o que faz com que a espécie (Stenella longirostris) seja conhecida como O golfinho rotador. Certamente isso não passou despercebido pelo astrônomo italiano Niccolò Cacciatore, pois se utilizou da forma latinizada de seu nome (Nicolaus Venator) para também catalogar e batizar de “forma reversa” (como numa rotação) as estrelas Alpha e Beta Delphini.

Beta Delphini

Beta Delphini é uma rápida binária, geralmente é um objeto difícil de ser observada, mas foi descoberta surpreendentemente com um equipamento de apenas 6 centímetros de abertura, pelo astrônomo S.W Burnham em agosto 1873. As duas estrelas são magnitudes 4,0 e 4,9 e giram em sua órbita em um período de 26,65 anos, com um periastro ocorrido em 1957 (figura 6).
A maior separação aparente do par ocorre num Ângulo de Posição (PA°) de 356 como ocorrido em 1949, encontrado ambas próximas em 0.65”, estando próximas de 90° como ocorrido em 1959, quando os componentes diminuíram para cerca de 0,2.". Elementos orbitais de acordo com Finsen (1938) são: semi-eixo maior = 0,48" = cerca de 20 UA à distância adotada numa paralaxe de 125 anos-luz; excentricidade = 0,35; inclinação = 62°. A luz total do sistema para a mesma distância é aproximadamente 36 vezes e a luminosidade do Sol. A velocidade radial é de 14 quilômetros por segundo em aproximação.

Boas Observações!

Referências:

- Mourão, Ronaldo Rogério de Freitas - Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, Ed. Nova Fronteira, Rio de Janeiro (RJ) - 1987, 914 P.

- Campos, Antônio Rosa - Almanaque Astronômico Brasileiro 2012, Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), Belo Horizonte (MG) - 2011, 104P.

- Burnham, Robert Jr. – Burnham's Celestial Handbook. Dover Publications, Inc., 1978. ISBN 0-486-23673-0 pp. 1547–1644.– Inc. New York – USA, 1978.

- Napoleão, Tasso Augusto - Deep-sky South – REA-Brasil, São Paulo – SD.




Nenhum comentário:

Postar um comentário