sábado, 1 de setembro de 2012

X Ophiuchi

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

X Ophiuchus é uma variável de longo período (LPV) tipo Mira que foi observada pela primeira vez por Thomas. E. Espin em 1886. É uma gigante vermelha pulsante com um período médio de 334 dias e uma variação de 6 a cerca de 9 magnitude, que a mantém sempre ao alcance de um pequeno telescópio. A curva de luz tem a particularidade de um mínimo bastante plano e extenso cerca de 9ª magnitude, enquanto os máximos podem variar consideravelmente em altura. Já em 1900, esta particularidade sugeriu a presença de um companheiro próximo, que ficaria visível a uma magnitude constante, embora a variável em si houvesse desaparecido de vista. Naquele mesmo ano essa expectativa foi comprovada, quando W.J. Hussey no Lick Observatory detectou o companheiro utilizando um refrator de 36 polegadas.

A companheira é uma estrela de 9ª magnitude localizada a 0,3" da primária, o ângulo de posição (AP) foi de 195° em 1900, mas parece estar diminuindo numa taxa de cerca de 20° em 25 anos, a separação se manteve relativamente constante. As duas estrelas, sem dúvida a partir de um sistema binário, são um dos poucos casos onde sabe-se que uma variável de longo período é um membro de um sistema duplo de estrela. Omicron Ceti (Mira) seja talvez o único caso também estabelecido.

A figura 1 abaixo apresenta a curva de luz obtida através das observações realizadas entre 1989 e 1993 pelos seguintes observadores brasileiros: Antonio Padilla Filho, Marcos Felipe Lara, Renato Levai, Avelino Alves e Tasso Augusto Napoleão. Nessa oportunidade, quando através do Projeto Observacional da REA (Rede de Astronomia Observacional)/ Brasil n° 62/1989 obtive-se um total de 95 observações.

Tais sistemas binários são de imensa importância para a astrofísica, uma vez que fornecem a oportunidade única de fazer-se uma determinação direta da massa de uma estrela do tipo Mira. P.W. Merrill (1923) encontrou a classe espectral da companheira (KO). Em uma análise do sistema, J.D. Fernie (1959) estimou um período orbital em torno de 560 anos, e uma distância de cerca de 780 anos de luz. A verdadeira separação das duas estrelas é da ordem de 75 unidades astronômicas, e a massa total do sistema é cerca de duas vezes a massa de um Sol. As Magnitudes absolutas encontradas para os componentes foram: -0,3 para estrelas M, no máximo, e 1,1 para as estrelas K. Não se sabe definitivamente qual estrela tem a maior massa, mas a variável, em qualquer caso, não pode ser significativamente mais maciça do que o Sol. Um resultado bastante semelhante foi encontrado para a famosa estrela Mira, e ao que tudo indica, parece certo que estas estrelas não são objetos de grande massa, como foi anteriormente suposto. Fernie sugeriu que as variáveis de longo período originam-se de estrelas da seqüência principal dos tipos A8 a F5, estrelas que são apenas ligeiramente mais massiva que o Sol. Tais pulsantes supergigantes vermelhas como Betelgeuse e Alpha Herculis realmente parecem ter massas muito maiores, e devem ser um tipo fundamentalmente diferente de estrelas. X Ophiuchi apresenta um movimento anual próprio de 0,02", a velocidade radial é de 43 quilômetros por segundo em aproximação.

Este ano, X Oph chamará a atenção dos observadores da American Association of Variable Star Observers (AAVSO) em todo o globo, visto que deverá atingir seu máximo em 22 de setembro próximo (mag. 6.8). Suas observações e reportes de estimativas são bastante incentivados e sua fácil identificação poderá ser obtida a partir da carta de busca elaborada pela AAVSO, apresentada na figura 2 abaixo.

Outras estrelas variáveis informadas pelo o observador brasileiro Carlos A. Adib, as quais ele encoraja os demais observadores a engajarem numa campanha observacional são apresentadas nas tabelas abaixo para os meses de seus máximos.


É ideal ainda a realização de freqüentes visitas ao site da AAVSO - American Association of Variable Star Observers (http://www.aavso.org/) para consultas de arquivos e carta de busca.

Boas Observações:

- Referências:

- Burnham, Robert Jr., - Burnham´s Celestial Handbook (23567-X, 23568-8, 23673-0)– An Observer´s Guide to the Universe beyond the Solar System – Vol. Two – Dover Publications, Inc. New York – USA, 1978.

- Lara, Marcos F., – “X Ophiuchi 5 anos de acompanhamento”; Reporte REA n°. 7 – REA (Rede de Astronomia Observacional) Págs. 72/73. Ano VII – São Paulo – SP- Dezembro 1994.

- http://www.aavso.org/ - Acesso em 18/08/2012.

- Adib, Carlos A., - Correspondência Pessoal (e-mail) 2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário