sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

O asteroide 2012 DA14 em 2013!

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

I - Introdução

Em 15 de fevereiro próximo, o asteroide 2012 DA14 estará em sua máxima aproximação a Terra com seu posicionamento mais favorável as observações (Lua = percentual iluminado = 0,30%), nas regiões da Ásia e Oceania, quando então sua magnitude em algumas localidades e estimada em 6.97, portanto dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de médio porte. Já os observadores dotados com instrumentos e câmeras CCD, poderão realizar excepcionais tomadas deste corpo celeste dentre as constelações. 

II- Descoberta

O Asteróide 2012 DA14, foi descoberto em 22 de fevereiro de 2012 no Observatório Astronômico de La Sagra, que está localizado no sul da Espanha nas montanhas da Andaluzia, pelos observadores S. Sanchez, J. Nomen, M. Hurtado, J. A. Jaume, W. K. Y. Yeung, P. Rios, F. Serra e F. Serra, utilizando os seguintes equipamentos: Telescópio refletor 0. 45-m f/2. e CCD (Charge Coupled Device). A figura 1 abaixo é um fotograma realizado naquela noite pela equipe de observadores.

III - Dados Orbitais 

Por imediato ao descobrimento, uma vez informado seu descobrimento ao MPC (Minor Planet Center) a circular eletrônica MPEC 2012-D51 de 24 de fevereiro 2012, já apresentava seus elementos orbitais (figura 2) uma vez que ele foi também observado no Kitt Peak National Observatory e Sabino Canyon Observatory ambos nos Estados Unidos, e ainda em St Pardon de Conques na Suíça, quando então foi possível concluir tratar-se de um Asteróide NEO´s. 
III - Objetos NEO e PHA

NEOs (Near Earth Objects), são cometas e asteróides que foram impelidos pela atração gravitacional dos planetas de órbitas próximas a Terra (Vênus e Marte) fazendo com isso que fiquem gravitando nas cercanias da Terra. Eles são compostos principalmente de gelo de água com partículas de poeira. Um dos principais interesses nestes objetos e devido a grande maioria ter se originado ainda no processo de formação do Sistema Solar (cerca de 4,6 bilhões de anos atrás).

Para classificar e (consequentemente definir) um objeto como: PHAs (Potentially Hazardous Asteroids), deve-se avaliar criteriosamente e com base em parâmetros seguros, o potencial de realizarem aproximações perigosas a Terra. Assim especificamente, serão todos os asteróides com uma Distância Minima de Interseção Orbital de 0,05 (U.A) e uma magnitude absoluta (H) de 22,0 ou menos para que seja considerado PHAs.

IV - Circunstâncias na Oceania e na Ásia

As tabelas enumeradas (1 a 6) abaixo apresentam suas efemérides, para algumas localidades nestes continentes, onde um posterior reporte dessas observações são extremamente “importantes e necessários” para um amplo delineamento de sua órbita em suas próximas aproximações da Terra, visto que nesta oportunidade sua distância mínima será de 0.000185951 U.A. 


V - Circunstâncias na África e Europa

Pelo mesmo motivo acima mencionado, também as tabelas enumeradas abaixo (7 a 9) apresentam suas efemérides, para algumas localidades nos continentes africano, bem como as tabelas (10 a 16) abrange o continente europeu. Ressalta-se que para algumas localidades o evento de passagem meridiana já lãs ocorra após as 00:00 (TU) que indicará a data seguinte (16 de fevereiro); estas ocorrências estão ressaltadas com um asterisco (*) nas cidades mencionadas.


VI - Próximas aproximações

Como podemos facilmente verificar numa rápida análise de seus elementos orbitais, ele possui um período orbital de 366.2644 dias, ou seja, muito parecido com o da Terra. Mas o fato é que ele estará nesta época, em sua menor distância da Terra como podemos perceber facilmente analisando a tabela 17. As condições serão bem oportunas nos próximos anos, principalmente em 16 de fevereiro de 2046, mas nenhuma delas se compara a essa excepcional oportunidade de registro do Asteróide 2012 DA14.

Nota: = (U.A)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

Boas observações!


Referências:

- http://ssd.jpl.nasa.gov/horizons.cgi#top - Acesso em 21 Jan 2013.
- www.minorplanets.org/OLS/ - Acesso em 27 Jan 2013.
- http://www.oam.es/Asteroide_2012DA14.htm - Acesso em 27 Jan 2013.
- http://www.minorplanetcenter.net/mpec/K12/K12D51.html - Acesso em 27 Jan 2013.
- http://neo.jpl.nasa.gov/neo/groups.html - Acesso em 27 Jan 2013.
- http://newton.dm.unipi.it/neodys/index.php?pc=0 – Acesso em 27 Jan 2013.



Nenhum comentário:

Postar um comentário