sexta-feira, 1 de março de 2013

O Imperador Astrônomo do Brasil

O Olhar Real em Direção ao Universo

Nelson Travnik
(nelson-travnik@hotmail.com)

Como explicar tamanha devoção de D. Pedro II a ciência do céu? Acredita-se que as primeiras noções de astronomia foram incutidas no jovem Imperador pelo litógrafo e artista francês, Louis Alexis Boulanger (1798-1874), um dos intelectuais escolhidos por seu preceptor José Bonifácio de Andrade e Silva, o “Patriarca da Independência”. Outro mestre que orientou o Imperador para a astronomia deve ter sido Frei Pedro de Santa Mariana. Desde cedo nutrindo especial interesse pelas ciências além de poliglota, adquiriu conhecimentos enciclopédicos que mais tarde, em 1877, o conduziram a sócio estrangeiro honorário da ‘Academia de Ciências da França, uma honraria alcançada por poucos. Era um intelectual por excelência e ele mesmo dizia que se não fosse Imperador gostaria de ter sido professor. Isto se traduz quando em seu observatório particular no telhado do Paço de São Cristóvão na Quinta da Boa Vista, recebia estudantes para observação do céu, ministrando noções básicas de astronomia e orientando no uso dos instrumentos.


Em 15 de outubro de 1827 criou-se por decreto o Observatório Astronômico do Rio de Janeiro no Morro do Castelo que na realidade só começou a funcionar a partir de 1846, com o nome de Imperial Observatório. Para alguns, seria o primeiro do Hemisfério Sul, mas acontece que na torre principal do Palácio de Friburgo do conde Mauricio de Nassau, na ilha de Antônio Vaz, próxima ilha do Recife- PE, Georg Markgraf construiu e inaugurou em 28 de setembro de 1639 aquele que deve ser considerado o primeiro observatório astronômico do Hemisfério Sul.

O Brasil tem pois uma tradição em Astronomia. Em 1846 foi nomeado para cuidar da organização do Imperial Observatório o professor da Academia Militar, Eugênio Fernando Saulier de Sauve. Através de decreto, D. Pedro II deu forma ao Observatório adquirindo novos instrumentos solicitados por Saulier, após emprestar seus próprios que utilizava no Paço de São Cristóvão. Saulier de Sauve morreu em agosto de 1850. Para sucedê-lo foi escolhido o paulista Antônio Manoel de Mello (1802-1866), professor da Escola Militar e Tenente Coronel, que já encontrou o Observatório dotado de completo e moderno instrumental para a época.

A sua primeira realização foi o inicio das publicações técnicas. Em 1852 já se encontravam impressas as ‘’Efemérides Astronômicas do Imperial Observatório” bem como os “Annaes Meteorológicos”. Para o cálculo das efemérides a observação dos astros era imprescindível e para isto D. Pedro II emprestou um de seus instrumentos. O Imperador estava sempre  em estreito contato com os astrônomos do Observatório e tinha ali um apartamento para descansar quando resolvia passar a noite em observações.

Além da atenção diária que dedicou ao Imperial Observatório até o fim do seu reinado, proveu os fundos necessários à importação da Europa de um mural, análogo ao do Observatório Real de Bruxelas, uma luneta meridiana e aparelhos magnéticos e meteorológicos. Discorria com rara competência questões de astronomia e todos eram unânimes em reconhecer isto. Nessa época pela sua importância podemos destacar a observação de dois eclipses: os de 1858 e 1865.

O primeiro em 7 de setembro, foi um eclipse total do Sol quando num feito brasileiro, a fotografia foi empregada pela primeira vez no mundo para fins astronômicos e astrométricos além do que o Imperador era um apaixonado pela fotografia. Os resultados da expedição brasileira na Baia de Paranaguá - PR, foram publicados nos ‘Comptes Rendus’ da Academia de Ciências de Paris.

O segundo de 1865 foi observado de Santa Catarina cuja faixa de totalidade passava por Camboriú. Três anos depois ocorreu um eclipse anular do Sol que foi observado por uma equipe enviada pelo Imperial Observatório. Em 1870 o francês Emmanuel Liais (1826-1900) que trabalhou no Observatório de Paris ao lado dos renomados astrônomos,  Urbain J. J. Le Verrier (1811-1877), imortal descobridor de Netuno e Hervé Faye (1814-1902), foi convidado por D. Pedro II  a assumir a direção do Imperial Observatório.

Sob os auspícios do império publicou um importante trabalho: “Tratado de Astronomia Aplicada a Geodesia Prática” bem como um magnífico livro “O Espaço Celeste” onde faz elogios a dedicação de D. Pedro II à Astronomia.  Importante assinalar que na administração de Liais veio à tona o problema do ensino da astronomia que àquela época sofria grande influência dos fascinantes livros do francês Camille Flammarion (1842-1925). Liais dizia que além do deslumbramento do céu, cabe ao astrônomo medi-lo dentro de um contexto científico. Fosse isso endereçado ou não a Flammarion, acontece que o “Mestre de Juvisy” publicou ao lado de obras filosóficas e romances, vários livros e publicações científicas. Entre eles o seu “Catálogo de Estrelas Duplas Visuais”, publicado em 1878, foi durante muitos anos considerado o melhor do mundo!
Indicado por Liais  com aprovação do Imperador, o belga mais tarde naturalizado brasileiro, Louis Ferdinand Cruls (1848-1908) assumiu a seguir a direção do Imperial Observatório. Em 6 de maio de 1878 aproveitou a passagem de Mercúrio sobre o disco solar para determinar com grande precisão os diâmetros desses dois astros que enviado a Academia de Ciências da França, foram publicados a seguir no ‘Comptes Rendus’. Cruls empregou o método desenvolvido por Liais e nas observações feitas no Rio de Janeiro que teve participação de D. Pedro II. Com a apoio financeiro dado pelo Imperador, foi possível organizar três expedições científicas: uma a Punta Arenas, Patagônia chilena, outra para a Ilha de Santo Tomás nas Antilhas e outra para Olinda-PE. para a observação da rara passagem de  Vênus sobre o disco solar em 6 de dezembro de 1882. Para observar o fenômeno D. Pedro II, ficou na corveta ‘Paraíba’ das 10 às 16 horas em reunião com vários astrônomos. Em 10 de setembro de 1882, Cruls descobriu no Imperial Observatório um cometa, o 1882 II. Conhecido como ‘Cometa Cruls’, ele foi exaustivamente estudado por D. Pedro II e nessa ocasião, ambos efetuaram a primeira análise espectroscópica de um cometa! São desse período as revistas “Annaes do Imperial Observatório”, “Revista do Observatório” e o “Anuário do Observatório” que até hoje é editado sem interrupção.

Em razão dos seus trabalhos em cometas, Cruls recebeu em 1882 o prêmio Valz de Astronomia, outorgado pela Academia de Ciências de Paris. Outro cometa, o 1887 I descoberto em 18 de janeiro pelo astrônomo norte-americano John M. Thome (1843-1908), em Córdoba, República da Argentina, foi estudado por D. Pedro II que estimou sua cauda em 50 graus. Esta estimativa ficou registrada na revista L’ Astronomie da Sociedade Astronômica da França, SAF, ano 1887 página 114. A astronomia segundo Ronaldo Rogério de Freitas Mourão (1935-   ) foi a ponte que reuniu três grandes homens: Victor Hugo, Flammarion e D. Pedro II. O Imperador foi um dos primeiros membros da SAF (nº 85), e era amigo pessoal de Camille Flammarion que o convidou para juntos no seu Observatório de Juvisy, inaugurarem em 29 de julho de 1887 com uma observação do planeta Vênus, a grande luneta de 24 cm construída por Bardou. A revista L’ Astronomie  de setembro de 1887 retrata nosso Imperador realizando essa observação.

Acompanhado pelo visconde de Nioac e Cruls, plantou nos jardins do Observatório uma árvore que existe até hoje! Nessa ocasião o Imperador concedeu a Flammarion a “Ordem da Rosa”. Em 17 de setembro de 2011, convidado para a reinauguração do Observatório Camille Flammarion, constatei a existência da árvore plantada pelo Imperador e de uma placa comemorativa. Infelizmente o interesse de D. Pedro II pela astronomia não era partilhado pelos seus auxiliares e alguns políticos que utilizavam a imprensa com charges satirizando o interesse do Imperador pelas coisas do céu o que levou o Brasil a não participar do projeto internacional da ‘Carta do Céu’. A região do céu destinada ao Brasil foi fotografada pelo Observatório de la Plata - Argentina. A luneta fotográfica encomendado aos irmãos Henry na França, doada por D. Pedro II, jamais foi instalada e o que é pior: em 1910 em relatório assinado por Cruls e Henrique Morize, informavam a perda total da luneta e acessórios! Nem a fulgurante aparição do cometa Halley sensibilizou as autoridades.

D. Pedro II havia cedido 40 hectares na Fazenda Imperial Santa Cruz e 60 mil francos (uma fortuna para a época!) para construção do observatório que incluía uma luneta inglesa “Cooke” de 32 cm e um circulo meridiano. As instalações iniciadas em 1889 nunca foram concluídas por motivos óbvios: a Proclamação da República. Pouco depois, os republicanos não deixaram desembarcar no porto do Rio de Janeiro instrumentos encomendados pelo Imperador à Inglaterra. A denominação do Imperial Observatório é a seguir mudada para Observatório Astronômico do Rio de Janeiro e mais tarde, em decreto, para Observatório Nacional do Rio de Janeiro cuja nova sede foi inaugurada em 1922 no bairro de São Cristóvão. No exilio, na correspondência que mantinha com a condessa de Barral, preceptora de seus filhos, são encontradas muitas referências à astronomia.

Ele contava das dificuldades pera realizar seus sonhos, principalmente na instalação de um grande observatório superior até ao de Nice, na França. D. Pedro II tinha conhecimento deste Observatório na descoberta de asteroides e principalmente pela descoberta por Auguste H. P. Charlois (1864-1910) do planetoide 293 ao qual foi dado o nome de Brasília em sua homenagem, na ocasião já no exílio.

Talvez o reconhecimento e a maior homenagem prestada a D. Pedro II veio durante o 2º Encontro Nacional de Astronomia, ENAST, celebrado em Recife-PE, de 30/6 a 1º/7 de 1978, quando astrônomos amadores e profissionais, por unanimidade, elegeram-no “Patrono da Astronomia Brasileira”, segundo moção apresentada pelo Dr. José Marijeso de A. Benevides. Foi o primeiro passo para que, no dia do aniversário do Imperador, 2 de dezembro, passássemos a celebrar o “Dia do Astrônomo”.


Referências

- História do Observatório Nacional, Antônio Augusto Passos Videira,

- L’ Astronomie, SAF, vários números,

- D. Pedro II, Patrono da Astronomia Brasileira, José Marijeso de A. Benevides, Rubens de Azevedo e José Macedo de Alcântara,

- Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, Ronaldo R. F. Mourão,
- Observatório Nacional e a Pesquisa Astronômica no Brasil, Luiz Muniz Barreto.

Nelson Travnik é astrônomo, diretor do Observatório Astronômico de Piracicaba, SP e Membro Titular da Sociedade Astronômica da França.



Nenhum comentário:

Postar um comentário