sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

O inusitado cometa SOHO 2875

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB


Uma descoberta casual ocorrida em 18 de fevereiro último, vem chamando a atenção de um grupo de astrônomos, que de forma ainda provisória vem sendo chamado de "SOHO-2875," porque esta é a descoberta 2875 do Observatório Solar e Heliosférico (SOHO do inglês = Solar and Heliospheric Observatory).

Segundo Karl Battams do Naval Research Lab (Laboratório de Pesquisa Naval), este não pertence a familia de cometas que se tem registro, pertencentes ao grupo de Kreutz, nome de astrônomo alemão Heinrich Kreutz do século 19 (Os cometas rasantes Kreutz são fragmentos oriundos da cisão de um único cometa gigante de muitos séculos atrás). Ele aparece pela primeira vez como um leve ponto no canto superior direito da figura 1; então, fazendo seu voo rasante nas imediações do disco do Sol.

A figura 2, já apresenta o cometa apresentando uma cauda, quando numa sequência o Sol apresenta uma CME (Ejeção de Massa Coronal). Eventalmente as Câmaras LASCO do SOHO, captam cometas deste grupo, mas segundo Karl Battams, "este é relativamente brilhante" e a questão é: poderá ser obervado a partir da superfície terrestre?

A cauda agora apresentada está cada vez mais impressionante; Como até o presente ainda não existem elementos orbitais disponíveis, "pode ser" que a visibilidade a partir da Terra ocorra em poucas semanas". Estamos torcendo para que isso ocorra.

Boas Observações!

Referências

- SOHO - http://sohowww.nascom.nasa.gov/pickoftheweek/ - Acesso em: 20 Fev. 2015
- SpaceWeather.com - http://spaceweather.com./images2015/20feb2015/ - Acesso em: 20 Fev. 2015

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Nova Sagittarii 2015 = PNV J18142514-2554343

February 18, 2015

Event: Nova Sagittarii 2015 = PNV J18142514-2554343
Discovered independently by:
- Hideo Nishimura (Shizuoka-ken, Japan)
- Koichi Nishiyama (Kurume, Japan) and Fujio Kabashima (Miyaki, Japan)
Discovery magnitude:
- Nishimura: DSLR magnitude 11.2, using 200-mm f/3.2 lens + digital camera
- Nishiyama and Kabashima: unfiltered CCD magnitude 10.9, using a 105-mm f/4 camera lens (+SBIG STL6303E camera)
Discovery date:
- Nishimura: 2015 February 12.840 UT
- Nishiyama and Kabashima: 2015 February 12.87837 UT
Coordinates:  R.A. 18 14 25.14   Dec. -25 54 34.3  (2000.0)
Spectra: Echelle spectra by Frederick Walter (Stony Brook University) taken on the night of 2015 February 15/16 near maximum light indicate that N Sgr 2015 is a classical Fe II nova.
Observing recommendations: Observations of all types (visual, CCD, DSLR, spectroscopy) are strongly encouraged as this nova evolves.
Charts: Charts for Nova Sgr 2015 may be created using the AAVSO Variable Star Plotter (VSP) at http://www.aavso.org/vsp. Figure below.

Observations reported to the AAVSO:
2015 Feb. 10.77381 UT, 12.60 V +/-0.05 (OCN, S. O'Connor, St. George, Bermuda);
11.841, 10.5 (T. Kojima, Gunma-ken, Japan, using 150-mm f/2.8 lens+digital camera, pre-discovery observation, via TOCP);
13.40987, 11.118 V +/-0.037    (HMB, J. Hambsch, Mol, Belgium);
13.41028, 11.059 V +/-0.043    (Hambsch);
13.41066, 10.170 I +/-0.053    (Hambsch);
13.41095, 10.134 I +/-0.054    (Hambsch);
13.76065, 10.7266 V +/-0.0024 (SPET, P. Starr, Coonabarabran, NSW, Australia);
13.76164, 10.7319 V +/-0.0024 (Starr);
13.76265, 10.7406 V +/-0.0023 (Starr);
13.76365, 10.7295 V +/-0.0024 (Starr);
13.76462, 10.7355 V +/-0.0024 (Starr);
13.76561, 10.7365 V +/-0.0024 (Starr);
13.76661, 10.7352 V +/-0.0024 (Starr);
13.76762, 10.7284 V +/-0.0024 (Starr);
13.76860, 10.7340 V +/-0.0024 (Starr);
13.76963, 10.7292 V +/-0.0025 (Starr);
13.77093, 11.5730 B +/-0.0044 (Starr);
13.7865, 11.16 V (S. Kiyota, Kamagaya, Japan, remotely using 0.43-m f/6.8 CDK astrograph+FLI PL16803 CCD at iTelescope.NET, Siding Spring Australia, via TOCP);
13.7865, 10.47 Ic (Kiyota, via TOCP);
14.41110, 9.826 I +/-0.069 (Hambsch);
14.52072, 10.2 V +/-0.1 (O'Connor);
14.77753, 10.03 V  +/-0.07 (O'Connor);
14.83056, 10.2 (PEX, A. Pearce, Nedlands, WA, Australia);
15.72593, 9.2894 V +/-0.0019 (Starr);
15.72693, 9.3032 V +/-0.0022 (Starr);
15.72796, 9.3107 V +/-0.0022 (Starr);
15.72898, 9.2894 V +/-0.0026 (Starr);
15.72998, 9.3058 V +/-0.0024 (Starr);
15.73099, 9.3079 V +/-0.0024 (Starr);
15.73200, 9.3054 V +/-0.0025 (Starr);
15.73300, 9.2965 V +/-0.0025 (Starr);
15.73402, 9.2965 V +/-0.0026 (Starr);
15.73503, 9.3055 V +/-0.0027 (Starr);
15.73632, 10.1222 B +/-0.0032 (Starr);
15.830, 9.0 (Kojima, via TOCP);
16.32500, 9.7 (CLUB, L. Camargo da Silva, Brazil);
16.32708, 9.5 (AAX, A. Amorim, Florianapolis, Brazil);
16.40575, 9.569 V +/-0.011 (Hambsch);
16.40616, 9.575 V +/-0.011 (Hambsch);
16.40654, 8.715 I +/-0.017 (Hambsch);
16.40683, 8.698 I +/-0.016 (Hambsch);
16.80903, 9.5 (Pearce);
17.40659, 9.603 V +/-0.011 (Hambsch);
17.40699, 9.616 V +/-0.012 (Hambsch);
17.40737, 8.581 I +/-0.023 (Hambsch);
17.40766, 8.558 I +/-0.022 (Hambsch);
17.73946, 9.3032 V +/-0.0021 (Starr);
17.74047, 9.2980 V +/-0.0023 (Starr);
17.74149, 9.3023 V +/-0.0024 (Starr);
17.74249, 9.3048 V +/-0.0022 (Starr);
17.74348, 9.3035 V +/-0.0024 (Starr);
17.74448, 9.2917 V +/-0.0024 (Starr);
17.74549, 9.2932 V +/-0.0024 (Starr);
17.74649, 9.3069 V +/-0.0022 (Starr);
17.74750, 9.3071 V +/-0.0023 (Starr);
17.74851, 9.3211 V +/-0.0025 (Starr);
17.74982,10.3444 B +/-0.0027 (Starr);
17.77406, 9.3 V (T. Yusa, Osaki, Japan, remotely using 0.43-m f/6.8 astrograph+CCD at iTelescopeNET, Siding Spring, NSW, Australia, via TOCP);
17.83472, 9.8 (Pearce);
18.40708, 10.247 V +/-0.013;
18.40749, 10.225 V +/-0.014;
18.40787, 8.762 I +/-0.025;
18.40816, 8.758 I +/-0.026;
Submit observations: Please submit observations to the AAVSO International Database using the name NOVA SGR 2015. Once a GCVS name has been assigned, please use that name.
Notes:
a. Assigned the name PNV J18142514-2554343 when posted to the IAU CBAT Transient Object Confirmation Page (TOCP) at http://www.cbat.eps.harvard.edu/unconf/tocp.html
b. Nishiyama and Kabashima confirmed object's presence on five 3-s unfiltered CCD frames taken around 2015 Feb. 12.891 UT. Nothing was visible down to magnitude 12.5 on a survey frame taken 2015 Feb. 02.887 UT.
c. Position end figures
- S. Kiyota (Kamagaya, Japan) 25.15s, 34.66"
- Nishimura 25.24s, 32.6"
- T. Yusa (Osaki, Japan) 25.15s, 34.6"
d. Nishiyama and Kabashima report that the nearest star in USNO B1.0 has position end figures 24.979s, 35.69", distance 2.6", magnitudes B2=15.40, R2=14.39, I=14.66.
e. Images:
- T. Kojima (pre-discovery, Gunma-ken, Japan), Feb. 11.841 UT,http://www.oaa.gr.jp/~oaacs/image/PnovaSgrKojima.jpg
- Nishimura (discovery), Feb. 12.852 UT, http://www.oaa.gr.jp/~oaacs/image/PnovaSgr.jpg
- Kiyota (confirming), Feb. 13.7865 UT, http://meineko.sakura.ne.jp/ccd/PNV_J18142514-2554343.jpg
- Yusa, Feb. 17.77406 UT, RGB color composite athttp://space.geocities.jp/yusastar77/supernova/PNinSgr_150217.htm
Congratulations to Koichi Nishiyama and Fujio Kabashima and to Hideo Nishimura on their independent discoveries!
This AAVSO Alert Notice was compiled by Elizabeth O. Waagen.
-------
Reference: E-mail: AAVSO Alert Notice 509: Nova Sagittarii 2015 = PNV J18142514-2554343. in: Thu Feb 19, 2015 - 02:40:38

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Nova Scorpii 2015 = PNV J17032620-3504140

Discovered by: Tadashi Kojima, Gunma-ken, Japan
Discovery magnitude: unfiltered DSLR magnitude 8.1, using a 150-mm f/2.8 lens and digital camera
Discovery date: 2015 February 11.837 UT
Coordinates: RA: 17 03 26.18 , Decl: -35 04 17.6
Spectra: Echelle spectra by Frederick Walter (Stony Brook University) taken on 2015 February 13.40 and reported in Astronomer's Telegram #7060 indicate the presence of strong H-alpha with FWHM of 2000 km/s, along with several other emission features.  See ATel #7060 for details.  
Observing recommendations: Observations of all types (visual, CCD, DSLR, spectroscopy) are strongly encouraged in following the evolution of this nova.
Charts: Charts for Nova Sco 2015 may be created using the AAVSO Variable Star Plotter (VSP) at: http://www.aavso.org/vsp . Figure below.

Observations reported to the AAVSO as of 2015 Feb 17.8:
2015 Feb 12.31389, vis=9.5, A. Amorim (AAX, Brazil)
12.32500, vis=9.2, L. Camargo da Silva (CLUB, Brazil)
12.40264, V=9.328, J. Hambsch (HMB, Belgium)
12.40277, V=9.383, J. Hambsch (HMB, Belgium)
12.67917, TG=9.4, R. Kaufman (KBJ, Australia)
13.40877, V=9.380, J. Hambsch (HMB, Belgium)
13.40891, V=9.489, J. Hambsch (HMB, Belgium)
13.40921, B=10.365, J. Hambsch (HMB, Belgium)
13.40944, B=10.427, J. Hambsch (HMB, Belgium)
13.46250, vis=9.5, L. Shotter (SLH, United States)
13.66875, vis=9.8, C. Wyatt (WCG, Australia)
13.71065, V=9.498, R. Weir (WRCA, United States)
13.72648, V=9.517, R. Weir (WRCA, United States)
14.40923, V=9.667, J. Hambsch (HMB, Belgium)
14.40936, V=9.651, J. Hambsch (HMB, Belgium)
14.40966, B=10.576, J. Hambsch (HMB, Belgium)
14.40989, B=10.557, J. Hambsch (HMB, Belgium)
14.82917, vis=10.2, A. Pearce (PEX, Australia)
15.40943, V=9.729, J. Hambsch (HMB, Belgium)
15.40957, V=9.753, J. Hambsch (HMB, Belgium)
15.40987, B=10.797, J. Hambsch (HMB, Belgium)
15.41010, B=10.796, J. Hambsch (HMB, Belgium)
15.71086, V=9.95, P. Starr (SPET, Australia; 10 observations)
15.72121, B=10.8075, P. Starr (SPET, Australia)
15.72241, R=9.0199, P. Starr (SPET, Australia)
15.72368, I=8.2942, P. Starr (SPET, Australia)
16.30833, vis=10.1, L. Camargo da Silva (CLUB, Brazil)
16.31250, vis=10.2, A. Amorim (AAX, Brazil)
16.40465, V=9.813, J. Hambsch (HMB, Belgium)
16.40479, V=9.988, J. Hambsch (HMB, Belgium)
16.40509, B=10.949, J. Hambsch (HMB, Belgium)
16.40532, B=10.961, J. Hambsch (HMB, Belgium)
16.72662, V=10.080, R. Weir (WRCA, United States)
16.80694, vis=10.4, A. Pearce (PEX, United States)
16.81687, V=10.086, M. Heald (HMH, United States)
16.81833, B=10.864, M. Heald (HMH, United States)
16.81979, I=8.241, M. Heald (HMH, United States)
17.40549, V=10.152, J. Hambsch (HMB, Belgium)
17.40562, V=10.116, J. Hambsch (HMB, Belgium)
17.40592, B=11.123, J. Hambsch (HMB, Belgium)
17.40615, B=11.141, J. Hambsch (HMB, Belgium)
17.66066, V=10.184, R. Weir (WRCA, United States)
17.78983, V=10.331, R. Weir (WRCA, United States)
Submit observations: Please submit observations to the AAVSO International Database using the name NOVA SCO 2015. Once a GCVS name has been assigned, please use that name.
Congratulations to Tadashi Kojima on his discovery!
This AAVSO Alert Notice was prepared by M. Templeton.
---------
Reference: E-mail: Alert Notice 508: Nova Scorpii 2015 == PNV J17032620-3504140. in: Tue Feb 17, 2015 - 21:27:22

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Notícia Especial nº 397: Transient brilhante em Sco (PNV J17032620-3504140)

11 de fevereiro de 2015 : Patrick Schmeer (SPK, Bischmisheim, Alemanha) relata o anúncio no CBAT Transient Confirmação objeto na página (TOCP) da descoberta de um transiente brilhante no Sco em 2015 fevereiro 11,8367 TU não filtrada CCD magnitude 8.2 por Tadashi Kojima ( Gunma-ken, Japão), utilizando uma lente f / 2.8 de 150 mm + uma câmera digital. Kojima relata nada é visível em um quadro da mesma câmera em fevereiro 10,827 UT.
O objeto foi designado PNV J17032620-3504140 na página TOCP. Essa informação e os relatórios adicionais podem ser encontradas na página TOCP acompanhamento em: http://www.cbat.eps.harvard.edu/unconf/followups/J17032620-3504140.html
Fotometria e espectroscopia são solicitados para confirmar o objeto e determinar a sua natureza.
Coordenadas: RA 17 03 26.20 Decl. -35 04 14,0 (J2000.0) 

Um relatório posterior dá números finais posição 26.11s, 17.6 "+/- 5", medida a partir do quadro (vermelho liso) da Kojima; a imagem pode ser vista em http://www.oaa.gr.jp/~oaacs/image/PnovaSco.jpg



Este objeto foi submetido a VSX. Uma vez que está em VSX, gráficos podem ser criados usando o AAVSO Estrela variável Plotter (VSP) em: http://www.aavso.org/vsp

Por favor, reporte de observações no Banco de Dados AAVSO Internacional usando o nome do PNV J17032620-3504140.
Este AAVSO Aviso Especial foi compilado por Elizabeth O. Waagen.
------
E-mail AAVSO: 12 de Fevereiro de 2015 - 2:41

domingo, 1 de fevereiro de 2015

O céu do mês – Fevereiro 2015

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil – AWB

Lembro-me de já haver mencionado que esse período do ano é bastante enriquecedor para os observadores principiantes; pois bem a iniciativa de estudos e reconhecimento da esfera celeste ganha mais adeptos, quando temos a alegria de apresentar-lhes algumas nuances observadas neste período, quando as mais brilhantes estrelas ilustram ainda mais o firmamento. Então a beleza do céu, até mesmo ao mais leigo observador faz com que a curiosidade sobre suas nuances fiquem mais aguçadas. Este período não será diferente, visto que se iniciará com a ocultação da brilhante Lambda Geminorum e também de omicron Leonis. A oferta será tão generosa, que esses eventos voltarão a repetir-se, mas visíveis aos observadores de outras regiões da Terra. A oposição de Júpiter é também uma ótima oportunidade que se faz para acompanhar além dos trânsitos da esmaecida Grande Mancha Vermelha (ing. = Great Red Spot) o movimento de seus satélites. Já aberta nova temporada de caça aos objetos celestes, falaremos do menor de seus fiéis companheiros; Canis Minor certamente revelar-nos-á algumas preciosidades daquela região celeste. À la chasse!


Nota:

Às 00:00h (Hora de Brasília) do dia 22 de fevereiro próximo, termina o Horário de Verão em parte do território brasileiro, que esteve em vigor nas regiões determinadas pelo Decreto n° 6.558 de 08 de Setembro de 2008.

Assim sendo, as regiões afetas: a) – SUL, estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná; b) SUDESTE, estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais e, c) CENTRO-OESTE, estados de Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e no Distrito Federal, retornam para o Fuso de -03:00 (UTC - Tempo Universal Coordenado).

Ocultações de estrelas pela Lua 

Lambda Geminorum

Em 01 de fevereiro a Lua +96% iluminada e com a elongação solar de 156°, ocultará a estrela lambda Geminorum de magnitude 3.6 e tipo espectral A3V. Esse evento poderá ser observada na Ásia, Europa e também na Groenlândia de acordo com a figura A, apresentada no quadro 1.

(Subra) Omicron Leonis

Em 04 de fevereiro a Lua -99% iluminada e com uma elongação de 170°, ocultará a estrela omicron Leonis (Subra) de magnitude 3.5. Esse evento poderá ser observado na Oceania, Sul e sudeste da Ásia, oriente médio e nordeste da África de acordo com a figura B, apresentada no quadro 1.

Zubenelhakrabi (Gamma Librae)

Em 12 de fevereiro a Lua -48% iluminada e com a elongação solar de 88°, novamente ocultará a estrela Zubenelhakrabi (Gamma Librae) de magnitude 3.9 e tipo espectral G8.5III. Esse evento poderá ser observado ao sul do continente sul-americano (Argentina e Chile) de acordo com a figura C, apresentada no quadro 1. A Tabela 2 apresenta ainda as circunstâncias gerais de visibilidade para algumas das principais localidades em ambos dos países.

Rho Sagittarii

Em 16 de fevereiro a Lua -11% iluminada e com a elongação solar de 38°, ocultará a estrela Rho Sagittarii de magnitude 3.9 e tipo espectral K1III. Esse evento poderá ser observado no Norte da África, Ásia e Europa de acordo com a figura D, apresentada no quadro 1.

Dabih Major (beta Capricorni)

Em 17 de fevereiro a Lua -5% iluminada e com a elongação solar de 25°, ocultará a estrela Dabih Major de magnitude 3.1 e tipo espectral F8V+A0. Esse evento poderá ser observado de forma diurna no sudeste da Ásia, oceano Indico e na região equatorial do continente africano de acordo com a figura E, apresentada no quadro 2. 

Ancha (Theta Aquarii)

Em 19 de fevereiro a Lua 0% iluminada e com a elongação solar de 4°, ocultará a estrela Ancha (Theta Aquarii) de magnitude 4.2 e tipo espectral G8. Esse evento poderá ser observado de forma diurna no Nordeste da África, Oceano Indico, sudeste e oriente da Ásia de acordo com a figura F, apresentada no quadro 1. 

Hyadum II (delta 1 Tauri)

Em 25 de fevereiro a Lua +50% iluminada e com a elongação solar de 90°, ocultará a estrela Hyadum II (delta 1 Tauri) de magnitude 3.8 e tipo espectral K0-IIICN0.5. Esse evento poderá ser observado na região equatorial da África; Já ocorrendo na parte diurna a porção sul do Oceano Atlântico e leste da América do Sul de acordo com a figura G, apresentada no quadro 1.

Aldebaran (alpha Tauri)

Ainda em 25 de fevereiro a Lua +53% iluminada e com a elongação solar de 93°, ocultará a brilhante estrela Aldebaran (Alpha Tauri) de magnitude 0.9 e tipo espectral K5+III. Esse evento poderá ser observado na região do Ártico, Península Escandinava, Groenlândia e de forma diurna na região norte do continente norte-americano de acordo com a figura H, apresentada no quadro 1.

Planetas, asteroides e cometas!

A oposição do gigantesco Júpiter (-2.6) no dia 06 próximo, realmente fará com que as noites fiquem emolduradas na nossa mente por um bom lapso de tempo. Europa e Ganimedes neste dia ficarão tão alinhados no campo visual dos telescópios que será ideal a utilização de uma boa abertura para separar estes satélites naturais, mas isso será por uma pequena fração tempo, o que também não deixará de ser um espetáculo visto através da ocular. A cada dia as condições observacionais de Saturno (0.5) ficam mais favoráveis devido ao constante aumento de suas elongações (tabela 3). Ele é visível ainda na segunda fase da noite (madrugada), entretanto mais alto no céu, sendo facilmente localizado na constelação de Escorpião. Enquanto isso o diminuto planeta Mercúrio (0.7), continuará protagonizando situações que frequentemente ocorrem, senão vejamos: Perigeo hoje (01/02) quando então estará a distância de 0.65550 ua da Terra; seu rápido movimento orbital, já fara com que essa distância a Terra em 12/02 próximo seja de 0.7589878 ua. Em 19/02 já é previsto uma nova fase de dicotomia, sendo que no dia 24 deste mês ocorrerá sua máxima elongação (26,7° W) visível momentos antes no nascer do Sol. Quanto ao planeta Urano (5.9), será possível observar nas primeiras horas após o ocaso do Sol, pois suas elongações e respectivas magnitudes estão são diminuindo, indicando que já está próxima sua próxima conjunção com o Sol. Situação semelhante também do planeta Netuno (7.9), sendo que nessa conjunção com o Sol, ocorre também seu apogeo, quando estão ele estará distanciado da Terra, cerca de 30.957400 ua. 

Sol = Após o periélio da Terra ocorrido em 04 de janeiro último, o quadro 2 abaixo, apresenta alguns elementos úteis a observação solar como: e (P.H) = Paralaxe Horizontal , (PO°) = Ângulo de Posição da extremidade Norte do disco solar, (+) E; (-) W, (BO°) = Latitude heliográfica do centro do disco solar (+) N; (-) S, (LO°) = Longitude heliográfica do meridiano central do Sol e ainda, (NRC) Número de rotação Solar de Carrington da série iniciada em novembro 1853 9,946.  

Lua = As fases lunares neste mês, ocorrerão nas datas e horários abaixo mencionadas em Tempo Universal de acordo com a figura 2:

A ocorrência das apsides (Perigeu e Apogeu) lunares dar-se-á neste mês na seguinte sequência: Apogeu em 06/02 às 06:27 (TU), quando a Lua estará a 406.154 km do centro de nosso planeta. Perigeu em 19/02 às 07:31 (TU), quando a Lua então estará somente 356.991 km do centro da Terra.

A boa novidade deste mês deverá ser o alinhamento planetário que ocorrerá durante o crepúsculo vespertino do dia 20 de fevereiro próximo, quando então o brilhante Vênus (-4.0), Marte (1.3) e a Lua (-3.5) com uma elongação de 27.1º, percentual iluminado de 0.05 e idade de 2.0; protagonizarão uma interessante conjunção planetário próximo a linha do ocaso, conforme podemos vislumbrar na figura 3 abaixo.

A situação do ponto de vista observacional dos planetas menores (134340) Plutão (14.2) e (1) Ceres (magnitude: 9.1) continua semelhante; eles encontram-se mergulhados dentre as estrelas da constelação de Sagitário estando ainda pouco favoráveis suas observações a partir da superfície terrestre. 

Mas é muito importante comentar neste post que neste ano, a atenção da pesquisa das missões espaciais não tripuladas estará muito focada nos resultados destes 2 objetos celestes, visto que a espaçonave Dawn, já envia fotografias de sua aproximação do planeta menor (1) Ceres e no próximo mês de Julho começaremos a conhecer um pouco mais sobre o longínquo e diminuto (134340) Plutão, quando então a missão New Horizons, começará a informar um pouco mais deste planeta menor e daquela longínqua região do Sistema Solar. Vamos acompanhar!

Asteroides

Neste mês teremos a oposição favorável às observações óticas de quatro asteroides do cinturão principal, sendo que em 05/02 próximo o asteroide (71) Niobe (mag. 10.6), poderá ser localizado próximo a estrela 77 Cnc de magnitude 5.1 na constelação de Cancer; nesta mesma região do céu mas na noite seguinte, o asteroide (89) Julia (mag. 10.4), estará bem próximo a estrela 66 Cnc de magnitude 5.3; a presença de Júpiter naquela área do céu tornará fácil a identificação celeste desta região. As brilhantes estrelas Regulus, Adhafera e Rasalas da constelação do Leão serão suficientes para identificar a região celeste em que poderemos facilmente encontrar o asteroide (8) Flora (mag. 9.1), 30 Leo de magnitude 3.5 será uma ótima referência de busca embora aquela região contenha estrelas mais brilhantes que o asteroide, mas nada que uma boa Carta Celeste não possa indicar. Embora com uma magnitude um pouco menor (38) Leda (magnitude 11.3), estará também naquela região celeste. Muito embora a constelação seja Sextante as estrelas 10 Leo de magnitude 5.0 e 29 Leo de magnitude 4.6 (próximas também a Regulus) serão boas referências na sua localização, ainda que seja necessário um instrumento de médio porte.

Cometas

O belo espetáculo proporcionado pelo cometa Lovejoy (C/2014 Q2) (efemérides na tabela 4), sem sombra de dúvidas é um “bonito presente” aos observadores, como foi o próprio comentário do observador Hernan Aguirre Campos desde Aguascalientes (México). 

Volto novamente a sugerir seu acompanhamento e registros fotográficos bem como estimativas observacionais, como a realizada ainda no início do mês anterior (figura. 4 ) pelo observador João Amâncio Ferreira Júnior do CEAMIG (Lagoa Santa, MG-Brasil) numa região com pouca influência de Poluição Luminosa.


CONSTELAÇÃO:

Canis Minor

Melhores companheiros para um destemido caçador que os cães não existem. Órion certamente vale-se da astúcia de fiéis escudeiros na eterna batalha contra o Touro. Além de seu alforje e armas equipamentos de caça (numa história que é indispensável) o acompanham neste propósito de abate, seus dois vigilantes cães: (Canis Major) e seu filhote, ao que parece em adestramento (Canis Minor). Pequena constelação da família celestial de Órion, ela certamente deixará a mostra um bom intento observacional aos observadores. 

Limitada ao sul e a oeste pela constelação de Monoceros (Unicórnio), ao norte por Gemini (Gêmeos) e a leste por Cancer (Câncer) e Hydra (Hidra fêmea), ocupa uma área de 183 graus quadrados (figura. 5) (MOURÃO, 1987).

Procyon

Sendo a oitava estrela mais brilhante do firmamento alpha CMi, essa subgigante mais conhecida pelo nome próprio Procyon (magnitude 0.4 e tipo espectral F5IV-V),  também é uma das estrelas mais próximas do Sol que conhecemos; provavelmente só Alpha Centauri, Sirius, Epsilon Eridani, e 61 Cygni estão mais próximas. Procyon possui um grande movimento próprio anual de 1,25" AP = 214º  (BURNHAM, 1978), apresentado na figura 6 abaixo. 

O valor de 0,288" foi obtido da paralaxe dessa estrela dando uma distância de 11,4 anos-luz. Procyon tem uma velocidade radial em de cerca de 1,8 quilômetros por segundo em aproximação, sendo seis vezes mais luminosa do que o nosso Sol, e duas vezes mais seu diâmetro. O tamanho real não pode ser medido diretamente, mas pode ser calculado a partir do tipo espectral conhecido e da luminosidade total (BURNHAM, 1978). A temperatura superficial está próxima de 6.000 a 7.500ºK; a magnitude absoluta é de +2,6.

A companheira de Procyon

O fato de que a “Pequena Estrela do Cão” não seja um único objeto é conhecido há mais de um século, visto que o astrônomo alemão Friedrich Bessel (1784-1846) constatou, pelo estudo das flutuações de seu movimento, a existência de um corpo invisível (MOURÃO, 1987). 

A partir das irregularidades observadas Arthur von Auwers (1838-1915) deduziu a existência de um companheiro fraco, mas maciço, e em 1861 publicou um período calculado de 40 anos. O companheiro hipotético foi procurado por muitas vezes por Otto Struve, Sherburne Wesley Burnham (1838-1921), e outros, mas sem sucesso (BURNHAM, 1978).

Finalmente em 1896, o astrônomo norte-americano de origem alemã John Martin Schaeberle (1853-1924) registrou a existência da companheira de Procyon  (figura. 7) observando-a visualmente com o refrator de 36 polegadas no Observatório Lick;  a posição foi de 4,6" da primária em AP = 320º. Em virtude de sua baixa magnitude atualmente estimada em 10.8 (WDS, 2014) e ainda estar próxima a brilhante primária de 1ª  magnitude, torna-se um objeto muito difícil para os observadores com aberturas pequenas, somente possível de ser resolvida em equipamentos de grandes aberturas; de acordo com cálculos de 1949 realizados pelo astrônomo dinamarquês Kaj Aage Strand (1907–2000), o semi-eixo maior dos componentes tem cerca de 15 u.a (unidade astronômica). 

Gomeisa 

Localizada a cerca de 4.3º a noroeste de Procyon, o nome próprio Gomeisa dado a Beta Canis Minoris de origem árabe designa aquela que tem olhos remelentos, ou seja, a que chora (MOURÃO, 1987). Estrela de magnitude aparente 2.8, situada a 161.5 anos-luz, pertencente à classe espectral B8Ve, é uma branco-azulada, com uma temperatura superficial de 11.500º K. Essa estrela apresenta um movimento próprio anual em cerca de 0.07"; a velocidade radial (variável, conforme observado por Paul Willard Merrill em 1925) e de 22 quilômetros por segundo em recessão (em média). 

A surpresa para muitos talvez apoia-se no fato que Gomeisa seja uma estrela variável irregular eruptiva  do tipo Gamma Cassiopeiae, alterando entre máximos e mínimos de 2.82 - 2.92; (AAVSO, 2013) conforme podemos visualizar na figura 8. Fato é também que entre novembro de 1983 e abril de 1985 foram realizados 30 espectrogramas com o resultado r= 2,0 denotando variabilidade clara. Jarad et al. (1989); entretanto o período sugerido por Jarad et al. (1989) entre máximos e mínimos de 218.4d não foi confirmado por outros observadores. 

A simples consulta no Washington Double Star Catalog, já apresenta os respectivos companheiros desse sistema múltiplo de estrelas; embora extremamente apagadas e próximas da estrela primária, alguns observadores relatam algum êxito nos seus registros observacionais; conforme podemos verificar na tabela 5, suas respectivas magnitudes ficam acessíveis a aberturas grandes; também é recomendada a utilização de câmeras CCD para que os registros possam ficar armazenados e posteriormente serem objetos de análises.

R CMI – Uma Variável de Longo Período

Um dos programas de observação continuada no âmbito da American Association of Variable Star Observers (AAVSO) que visa o incentivo a realização de observações e registros por meios visuais ou CCD / fotometria fotoelétrica e justamente reunir o maior número de informações a seus observadores, sobre estrelas LPVs (Variáveis de Longo Período, do inglês = Long Period Variables); assim sendo encontraremos na figura 9 una carta de busca gerada pela AAVSO da estrela R CMi.

Enquadra-se perfeitamente nesta classificação esta variável do tipo M (Omicron Ceti = gigantes variável com espectros de emissão característica do tipo tardia (Me, Ce, Se) e amplitudes de luz 2,5-11 magnitudes) a que o observador canadense Marren Morrison estimou seu mínimo em 30 de dezembro último (DJ = 2457022.0) em 10.9 e ao que tudo indica tornará seu máximo em 25 de junho próximo (DJ = 2457198.660); desta forma encontraremos na tabela 6, efemérides geradas também pela AAVSO para o período 2015 – 2021, visto que suas magnitudes encontrar-se-ão sempre ao alcance de telescópios de pequeno e médio porte. 

O montante de informações reunidas neste simples post, não representa todo o potencial de objetos celestes (principalmente as estrelas variáveis LPVs), visto que temos também naquela região celeste, as seguintes estrelas: S CMi,T CMi, U CMi e V CMi. Desta forma fica sempre o convite para que se possa realizar uma boa jornada observacional incluindo as estimativas e registros dessas estrelas naquela constelação. Sem dúvidas uma preciosidade daquela região celeste. 

Boas Observações!

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2015. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2014. Disponível em: <http://www.ceamig.org.br/5_divu/alma2015.pdf> Acesso em: 08 dez. 2014.

- BURNHAM Jr, Robert. – Burnham's Celestial Handbook. Dover Publications, Inc., 1978. ISBN 0-486-23567-X pp. 4476–253.– Inc. New York – USA, 1978.

- AMORIM, Alexandre. REA/BRASIL, Florianópolis, set. 2014. Disponível em < http://rea-brasil.org/cometas/prog2015.htm>. Acesso em: 12 jan. 2015.

- CHEVALLEY, Patrick. SkyChart / Cartes du Ciel - Version 3.8, March. 2013. Disponível em:   <http://ap-i.net/skychart/start?id=en/start>. - Acesso em: 11 Jan. 2015.

- American Association of Variable Star Observers, AAVSO/vsots, The International Variable Star Index: 2005-2013. Disponível em: < http://www.aavso.org/vsx/index.php?view=detail.top&oid=5638 > - Acesso em: 12 jan. 2015.

- General Catalog of Variable Stars (GCVS) Sternberg Astronomical Institute, Moscow (Sep., 2009, Epoch 2000): Disponivel em: <www.handprint.com/ASTRO/XLSX/GCVS.xlsx> – Acesso em: 08 dez 2014.

MASON, Brian; HARTKOPF, William. The Washington Double Star Catalog (WDS/USNO). Disponível em: <http://ad.usno.navy.mil/wds/wdstext.html#files>. Acesso em: 08 Ago. 2014.

JARAD, M. M et al. A radial-velocity study of 18 emission-line B stars MNRAS (1989) Vol. 238 1085-1106 doi:10.1093/mnras/238.4.1085 First published online in December 1, 1989. <http://mnras.oxfordjournals.org/content/238/4/1085.abstract>. - Acess in 12 Jan. 2015.

- http://www.calsky.com/cs.cgi - Acess in 29 Jan. 2015.

O asteroide (44) Nysa em 2015!

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 22 de março próximo, o asteroide Nysa estará com seu posicionamento favorável às observações (fase da Lua = +0.038), quando então sua magnitude chegará a 9.4, portanto dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de pequeno porte. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste ilustrativa, objetivando sua localização nos próximos dias.
 
Como demonstra seu número em ordem de nomeação indicado acima entre parênteses, 44 Nysa foi descoberto em 27 de maio de 1857 pelo astrônomo Herman Goldschmidt (1802-1866) no Observatório de Paris. (Mourão, 1987).

Notas:
1 = (ua)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

2 = As coordenadas equatoriais ascensão reta e declinação (J2000.0) são apresentadas no formato HH:MM:SS (hora/grau, minuto e segundo).

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2015. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2014. Disponível em: <http://www.ceamig.org.br/5_divu/alma2015.pdf> Acesso em 03 dez. 2014.

O asteroide (17) Thetis em 2015!

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 07 de março próximo, o asteroide Thetis estará com seu posicionamento favorável às observações (fase da Lua = -0.986), quando então sua magnitude chegará a 10.8, portanto dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de médio porte. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste ilustrativa, objetivando sua localização nos próximos dias.
 
Como demonstra seu número em ordem de nomeação indicado acima entre parênteses, 17 Thetis foi descoberto em 05 de abril de 1853 pelo astrônomo alemão Robert Luther (1793 - 1866) no Observatório de Dusseldorf. Seu nome é uma homenagem a Tetis, esposa de Peleus rei da Tessália, filha de Nereu e Doris, segundo uma proposta do astrônomo alemão F.N.A. Argelander (1799 - 1875). (Mourão, 1987).

Notas:
1 = (ua)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

2 = As coordenadas equatoriais ascensão reta e declinação (J2000.0) são apresentadas no formato HH:MM:SS (hora/grau, minuto e segundo).

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2015. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2014. Disponível em: <http://www.ceamig.org.br/5_divu/alma2015.pdf> Acesso em 03 dez. 2014.

O asteroide (7) Iris em 2015!

Antônio Rosa Campos
arcampos_0911@yahoo.com.br
CEAMIG – REA/Brasil - AWB

Em 06 de março próximo, o asteroide Iris estará com seu posicionamento favorável às observações (fase da Lua = -0.986), quando então sua magnitude chegará a 8.9, portanto dentro dos limites de magnitudes observáveis de instrumentos óticos de pequeno porte. A tabela abaixo apresenta suas efemérides e bem como uma carta celeste ilustrativa, objetivando sua localização nos próximos dias.

Como demonstra seu número em ordem de nomeação indicado acima entre parênteses, 7 Iris foi descoberto em 13 de agosto de 1847 pelo astrônomo inglês John Russel Hind (1823 - 1895) no Observatório de Londres. Seu nome é homenagem a Íris ou Íride, filha de Taumas e Electra, e mensageria de Juno, em particular, e dos deuses, cuja aparição era anunciada pelo arco-íris. (Mourão, 1987).

Notas:
1 = (ua)* Unidade Astronômica. Unidade de distância equivalente a 149.600 x 106m. Convencionou-se, para definir a unidade de distância astronômica, tornar-se como comprimento de referência o semi-eixo maior que teria a órbita de um planeta ideal de m=0, não perturbado, e cujo período de revolução fosse igual ao da Terra.

2 = As coordenadas equatoriais ascensão reta e declinação (J2000.0) são apresentadas no formato HH:MM:SS (hora/grau, minuto e segundo).

Referências:

- MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica. Rio e Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1987,  914P.

- CAMPOS, Antônio Rosa. Almanaque Astronômico Brasileiro 2015. Belo Horizonte: Ed. CEAMIG (Centro de Estudos Astronômicos de Minas Gerais), 2014. Disponível em: <http://www.ceamig.org.br/5_divu/alma2015.pdf> Acesso em 03 dez. 2014.

Ano novo: 2015 ou 2021?

Nelson Alberto Soares Travnik
nelson-travnik-@hotmail.com
Observatório Astronômico de Piracicaba – SP

Para a civilização cristã é mais um ano que passou. Em meio a festas, brindes e abraços, em algum momento lhe passou pela cabeça que estamos comemorando o ano errado?

Uma pesquisa histórica nos ensina que a era cristã tem inicio no nascimento de Cristo cuja data verdadeira é desconhecida. A estimativa de datas em que se baseia o nosso calendário, foi feita durante a Idade Média por um monge chamado Dionisyus Exiguus e, segundo uma série de fontes, inclusive a Enciclopédia Católica, de fixar o ano 1 de nossa era em 753 A.U.C. (Ab Urba Condita), depois da fundação de Roma. Acontece que Dionisyus utilizando a data de 25 de dezembro do ano 753 errou nas contas por cerca de 4 anos e além disso não se deu conta de fixar o ano zero; ele apenas chamou o ano 752 de ano 1 antes de Cristo e o de 753 de ano 1 AD (Ano Domini ou Ano do Senhor).

A era cristã foi adotada pela Igreja em 532 por sugestão de Dionisyus que decidiu contar os anos a partir de 1º de janeiro em seguida ao nascimento de Cristo. Em 440 é que a Igreja decidiu que a data do nascimento de Cristo seria 25 de dezembro do calendário romano. Os cronologistas por sua vez, decidiram retardar sete dias o inicio da era cristã para que coincidisse com o inicio do ano 754 da fundação de Roma. Analisando fatos históricos ligados a Roma  e Israel, palco dos acontecimentos, o cálculo de Dionisyus carece de fundamento. Isto porque se Cristo houvesse nascido em 754 da fundação de Roma, Herodes já estaria morto há cinco anos  e os apóstolos Mateus e Lucas estariam mentindo. Sendo válido este raciocínio, estamos pois brindando o ano de 2021 ou 2022 segundo o qual Cristo deve  ter nascido cerca de seis ou sete anos  que o registrado pelo calendário ocidental, considerando o erro maior cometido por Dionisyus.

Em seu livro “A Infância de Jesus”, editado em cinqüenta países, o papa Bento XVI diz que Maria deu à luz entre 7 e 6 a.C. o que vem corroborar o acima colocado. Nosso calendário é Gregoriano que adveio do Juliano e este por sua vez dos egípcios. Ao longo dos séculos, as modificações introduzidas não teve  como corrigir as discrepâncias que ocorriam e a solução foi a introdução de um novo calendário pelo papa Gregório XIII que para isto consultou o astrônomo napolitano Luigi Lilius (1510-1576) e depois o matemático alemão Cristophorus Clavius (1537-1612). Mesmo com as regras estabelecidas no calendário gregoriano que utilizamos a partir de 1582, ele não é perfeito e apresenta um excesso de 0,0003 dias em relação ao ano trópico, ou seja, de 1,132 dias em quatro mil anos. Essa diferença pouco significa para a humanidade mas para a datação de fatos históricos, em astronomia, ciência espacial e cálculos relativísticos, tal é inadmissível e para isso é que foram criados os relógios atômicos. São eles que controlam a diminuição da rotação do nosso planeta via marés e no fato da Lua afastar-se de nós 3,5 a 4 centímetros por ano. O efeito acumulativo da diminuição da rotação da Terra cresce proporcionalmente não ao tempo, mas ao seu quadrado. Isso faz com que várias medições diárias com resolução de nanosegundo são realizadas contribuindo assim com o estabelecimento do Tempo Universal, UT.  Isso tem levado alguns organismos a pensar em um novo calendário, mas por enquanto essas tentativas não vingaram e o calendário atual parece que vai permanecer por longo tempo.

Esses cálculos mostram que a diminuição da rotação da Terra se encarregará no futuro de se elaborar um novo calendário. Acredito que o calendário deveria ser universal, segundo cálculos astronômicos. Como está é historicamente arbitrário e matematicamente errôneo. Quando brindamos um ano novo significa que transcorreram 365 dias, 05 horas, 48 minutos e 14 segundos. São essas voltas ao redor do Sol que ditam a nossa existência. Quanto anos  você tem ? Ah, eu já dei tantas voltas ao redor do Sol. Ninguém diz isso, mas poderia falar.

Nelson Travnik é astrônomo e Membro Titular da Sociedade Astronômica da França.